#16. COVID-19: Resposta ao meu amigo, eu amo Manaus!

Acabei de ler o belo artigo de meu amigo, Dr. Marcus Lacerda no jornal O Globo. Com o título "Se não aprendemos nada ainda com a Covid-19 no Amazonas, estaremos fadados a repetir os mesmos erros".






Deste material, quero destacar alguns pontos importantes que ele descreve:


1º. Dispersão da variante P1 pelo Brasil a partir do Amazonas


Lamentavelmente hoje a discussão gira em torno do isolamento de Manaus, por causa da variante P1. O deslocamento de pacientes graves para outros estados, pelo governo federal e do Amazonas, tem sido visto como uma ameaça nacional, como se a variante já não estivesse espalhada por aí.

Concordo com você, meu amigo. E digo mais, não só já está espalhada há muito tempo como também não está só. Lembremos das variantes do Reino Unido e África do Sul. Só não sabemos, pois nossa vigilância laboratorial está sofrível. Além dos testes insuficientes, o discurso de que a variante é a culpada pelas mortes é apenas "cortina de fumaça" para responsabilidades que não querem assumir.


Minha mãe costumava dizer que não adianta trancar a porta depois que o ladrão entrou. Não custa lembrar que o primeiro alerta da nova variante foi dado a partir de turistas japoneses que retornaram ao Japão, provenientes do Amazonas. Se chegou ao Japão, será que não chegou ao nosso maior HUB aéreo, em Guarulhos, antes?

A sociedade e principalmente o governo vai compreender que deveriam estar investindo mais e mais na saúde pública do Amazonas e dos demais Estados e Municípios. A epidemia está apenas cursando o seu caminho. E vai seguir para o Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. O Amazonas está apenas apresentando uma "antecipação" de seu padrão sazonal regular de TODOS os anos no "inverno amazônico". Escrevi sobre isso no Boletim Epidemiológico nº 6 em 3 de abril de 2020. Quando o Ministério da Saúde estava atuando com base na vigilância epidemiológica.


A região Norte apresenta dois picos, sendo o maior em associação ao período chuvoso (março-abril), como observado em países tropicais da Ásia (Moura et al., 2009). Em 02 de abril a Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas solicitou apoio do Ministério da Saúde para envio de respiradores ventilatórios. A situação epidemiológica está coincidindo com o aumento de doenças respiratórias. É exatamente para evitar esse padrão que as medidas de distanciamento social são implementadas em todo o mundo  (Boletim Epidemiológico de 3 de abril de 2020).

2ª XENOFOBIA


O negacionismo federativo nos fez acreditar que a corrupção no Amazonas foi pior do que no restante do país, que em Manaus se usa menos máscaras do que no Rio de Janeiro, e que as festas de fim de ano aqui foram mais animadas. Até o calor de Manaus virou desculpa para a mutação da variante já amplamente chamada de amazonense, pelos mesmos que criticaram o nome de vírus chinês.

Em 20 de março de 2020, publicamos a PORTARIA Nº 454, DE 20 DE MARÇO DE 2020 onde declaramos, em todo o território nacional, o estado de transmissão comunitária do coronavírus (covid-19). Era claro que não estava em todo o território nacional. No entanto, muitos estados estavam começando a não querer receber voos de São Paulo, pelos mesmos motivos que não querem receber pacientes de Manaus. Ou seja, não aprendemos nada, meu amigo.


Vejam a linha do tempo. Acompanhe os quadrados vermelhos, eles estão seguindo o seu curso natural e vai chegar a todos os rincões do Brasil, podem acreditar!

Leiam o artigo do Marcus no Globo - Clique aqui para acessar


270 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo